UMA CRIANÇA, UM BRAÇO, UM TIGRE E UM PAI IRRESPONSÁVEL



UMA CRIANÇA, UM BRAÇO, UM TIGRE E UM PAI IRRESPONSÁVEL

Muitos pais imaginam ter poder absoluto por tudo. Os filhos aprenderam a serem “livres” sob a tutela dos seus pais.

Hoje li uma reportagem na Folha de São Paulo sobre um garoto de 11 anos que teve um braço amputado por conta de um ataque sofrido por um tigre em uma área proibida em um zoológico na cidade de Cascavél-PR e o fato me chamou a atenção, não pelo acidente, mas pelo os motivos que causaram o acidente.
Enquanto estava lendo pensei em diversos tipos de crianças (comparando com os nossos alunos nessa faixa etária). Poderia se tratar de uma criança que não obedecia aos pais, birrenta, ditadora, agressiva ou dissimulada. Entretanto, ao continuar lendo, a reportagem apontou que o garoto estava sendo influenciado pelo seu pai para correr ao redor da jaula, provocando o animal. Não somente isso, em outra cena do circuito de câmeras do zoológico, a reportagem afirma que o garoto havia acabado de mexer com um leão, e que seu pai estava próximo (VEJA O VÍDEO 1 ABAIXO).


Neste caso, é absoluto afirmar que o garoto estava agindo sob a tutela do seu pai e este, comportando-se como uma criança de 11 anos, estava lhe dando cobertura.
Quantas vezes vemos os pais darem “cobertura” ou até mesmo incentivar seus filhos a fazerem o que é errado ou perigoso? O que se passou pela cabeça deste pai em deixar seu filho alimentar um leão e um tigre? Porque a noção de perigo não lhe passou pela cabeça?
Içami Tiba (Limites – disciplina na medida certa) afirma que a moderna geração de pais não age como pais, mas como amigos, e amigos não educam. Amigos são amigos e pais são pais. Os pais desta geração não se atentam aos valores comuns de ética ou de limites. Abominaram qualquer tipo de repreensão em detrimento de uma suposta liberdade e esqueceram-se de que a educação é função primordial da família.
Família de ontem e de hoje na escola

É uma situação muito comum presenciar pais que, quando chamados à escola para tomar ciência de alguma atitude indisciplinar dos seus filhos, já irem armados para defendê-los a qualquer custo. O filho tem tanta razão quanto o cliente de qualquer comércio. Se é por causa de lição, é porque o professor dá muita lição, se é por questões disciplinares, é porque o professor está de marcação, se foi briga com outro aluno, é porque a família do outro não deu educação, e por ai vai. Aos poucos a infantilização da sociedade vai dominando o cenário social e ganhando cada vez mais força.
Em entrevista à MasterTV o Prof. Mário Sergio Cortella afirma que os pais estão delegando a função da educação familiar aos professores, assim como se faz com um personal trainner. Cortella diz que os professores estão sendo tratados como  personal father e personal mather (VEJA VÍDEO 2 ABAIXO).
Os papeis invertidos entre pais e professores só tendem a prejudicar a sociedade. É preciso deixar claro para ambos quais são os seus papeis. O professor contribui com uma parte da educação da criança, ou seja, com a escolarização. Os pais, por sua vez são aqueles que os terão por toda a vida, ou seja: Professor não é Educador. Essa tendência de chamar professor de educador só tem contribuído com a inversão de papéis e com a terceirização da educação de seus filhos.

Cabe então, aos professores, lembrarem constantemente os pais dos seus alunos para que estão na escola. Qual é a função da escola e quais são as diferenças entre pais e alunos, pois se não o fizerem, correremos o risco de assumir a responsabilidade sobre a irresponsabilidade dos pais.
Ivan Claudio Guedes, 34.
Geógrafo e Pedagogo

VÍDEO 2 – MENINO ATACADO POR TIGRE

VÍDEO 2 – MÁRIO SERGIO CORTELLA

Postagens Relacionadas

About the Author

Ivan Guedes

Prof. Dr. Ivan Claudio Guedes, Geógrafo e Pedagogo. Professor de Geografia na educação básica e Docente do curso de Pedagogia da Faculdade Progresso. Coloca todo o seu conhecimento a disposição de alunos acadêmicos, pesquisadores, concursantes, professores, profissionais da educação e demais estudantes que necessitam ampliar seus conhecimentos escolares ou acadêmicos.

Comments

  1. Olá meu caro amigo, Prof Ivan Guedes,
    Li o seu artigo e como era de se esperar uma linha de raciocínio bem digna de seu brilhante perfil, e confesso que não por acaso estamos a contribuir com publicações destinadas a orientação, reflexões e a busca de uma transformação social.
    Deixemos as semelhanças a parte e discutamos o problema em si, pois bem meu caro amigo, acompanhei os noticiários e tentei saber o que pode passar na cabeça de um pai que incentiva seu filho a colocar o braço dentro da zona do hábitat de um tigre….? E aí recentemente um rapaz caiu do metro e ficou com a sua vida ameaçada a população correu ao seu socorro buscando empurrar o vagão do trem para salvá-lo ( Se não me falha a memória isso ocorreu na Austrália), então professor análise comigo, não e falta de patriotismo não, pois amo meu pais, só não aceito a maneira de como ele está sendo conduzido, pois na menor das hipóteses faltou solidariedade das pessoas que observavam sem tomar atitude alguma, que o pai tem culpa, sim o sabemos, mas que mundo estamos vivendo e que tipo de sociedade estamos criando que ninguém foi capaz de tomar uma atitude ao menos de notificar alguém do zoológico via celular, ou chamada de um agente do zoológico sobre o fato e o perigo que a criança estava correndo com tal atitude. São coisas como essas que nós revoltam pois vemos o quanto ainda precisamos trabalhar para educar melhor nosso alunos para a vida como um todo, pois esse pai não deveria ter as mínimas condições de ser tutor de seu filho, melhor não poderia ser pai, pois não conseguiu um raciocínio lógico de que criança não deve desrespeitar os animais, pois isso e uma educação no âmbito familiar também, e não somente escolar.
    Dessa forma meu caro amigo para encurtar a coisa como pode as autoridades ainda achar que a culpa era do leão e querer sacrifica-lo, se nem o menino queria que isso acontecesse?
    Quanto mais estudo e aprendo sobre o ser humano tenho la minhas dúvidas de que podemos ser chamados de humanos, pois o que vemos hoje no mundo e um cenário de volta as origens da teoria da evolução da vida, estamos voltando a era primitiva. E a mãe ainda defendeu o pai, ela no mínimo deveria saber que levar duas crianças ao zoológico, não seria tarefa para o homem que não morava mais com ela, porque ficaremos sem saber o que de fato foi a intenção dôo pai ao incentivar a criança a colocar o braço dentro da área do tigre.

  2. Zilda,
    Vivemos em uma época do "espetáculo" em que queremos ser os protagonistas das piores besteiras. O que se passa pela cabeça de um pai que filma seu filho "brincando" com um tigre? Postar no face para ficar famoso? Pois é! ficou!.
    O ser humano precisa reaprender a "ser" "humano".

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *