SARESP: INDICADOR DE QUALIDADE OU PARANÓIA PEDAGÓGICA?



SARESP: INDICADOR DE QUALIDADE OU PARANÓIA PEDAGÓGICA?

Políticas públicas educacionais no Brasil apontam para um neotecnicismo educacional e a sua crescente mercantilização

SARESP Indicador de qualidade ou paranoia pedagogica

SARESP Indicador de qualidade ou paranoia pedagogica

Mais um final de ano se aproxima e com ele, para os estudantes da rede pública estadual de São Paulo, está chegando o “grande” dia do Sistema de Avaliação do Rendimento Escolar do Estado de São Paulo (SARESP).

 

Grande? 

 

Por que grande? 

 

Para os alunos esse dia não passa de mais uma prova que “não dá em nada”. Para os professores é um dia em que uma prova definirá o seu “bônus”. Para a direção é um dia tenso, pois não pode ocorrer nenhuma falha. Para a Diretoria de Ensino (DE), é um dia de grande expectativa, pois o trabalho de um ano inteiro será avaliado por essa prova. Para a Secretaria de Estado da Educação (SEE), é um dia de grande sucesso.

O fato é que desde 1996 essa prova ocorre no mês de novembro nos últimos dias letivos do ano. Aliás, vale lembrar que culturalmente para os alunos (e alguns professores) a aplicação do SARESP é o último dia letivo do ano.

O SARESP é uma avaliação de múltipla escolha, aplicada para os alunos que estão na 2ª, 4ª, 6ª e 8ª série (3º, 5º, 7º e 9º ano) do Ensino Fundamental, e 3º ano do Ensino Médio. As questões são, em sua maioria, língua portuguesa e matemática, alternando ano após ano entre ciências humanas e ciências físicas e biológicas. Além das questões, os alunos e a família respondem, também, a um questionário socioeconômico, cultural e aspectos gerais da situação escolar. Por fim, os professores e gestores das escolas também respondem aos questionários on line.

Essa avaliação corresponde ao que a SEE denomina como índice de desempenho, pois a partir da nota do SARESP, será calculado o IDESP (Índice de Desenvolvimento da Educação do Estado de São Paulo). Os índices são seguidos de metas estabelecidas pela própria SEE que gera, no final das contas, o “bônus” dos professores.

O fato é que o modelo do SARESP como está não é dos ruins (já foi pior). Hoje as questões obedecem a metodologia do TRI (Teoria de Resposta ao Índice). Mas não é sobre isso o que queremos abordar. O que vamos abordar com maior profundidade é a caça desesperadora atrás dos índices.

Durante o decorrer do ano, os coordenadores das escolas e diretores lembram em todos os momentos aos professores que a turma X ou Y fará SARESP. As orientações na DE são em vistas ao SARESP. As ATPC’s (Atividades de Trabalho Pedagógico Coletivo) são em busca da melhoria do SARESP, enfim, tudo o que se respira na escola é em torno do SARESP. 

 

Mas será que o SARESP é um fim ou é um meio? 

Será que a escola, as orientações técnicas, as leituras, o planejamento das aulas, as ATPC’s, as reuniões de planejamento e replanejamentos deveriam estar à disposição do SARESP ou o SARESP deveria realmente apresentar os resultados obtidos a partir de uma preocupação maior com o aluno e com sua aprendizagem?
 
Os questionários socioeconômicos, culturais e das peculiaridades da escola que os professores, gestores, pais e alunos respondem não estão disponíveis às próprias escolas e à comunidade.
 
Ora, como querem que se criem planos de gestão administrativa e pedagógica nas escolas se os instrumentos de avaliação interna não estão disponibilizados?
 
Afinal, existe transparência ou não nesse processo?
 
Muito tempo se perde discutindo as “hipóteses sobre os distratores”, ou seja, as teorias de porque o aluno não assinalou a “A” ou a “B” ao invés da “D”. 
 
  • – Porque não se discutem a baixa formação didático-teórica dos professores?
  • – Porque não se discute o plano de carreira dos professores? 
  • – Porque não se discute a reforma no currículo e nos conteúdos?
  • – Porque não se discute o excesso de alunos em sala de aula?
  • – Porque não se discute a falta de segurança nas escolas? 
  • – Porque não se discute a falta de infraestrutura nas escolas? 
  • – E porque esses itens não entram na pesquisa?
 
São muitos problemas, portanto, é mais fácil discutir as teorias de resposta aos índices.
 
A prova em si, realmente não atesta muita coisa. Muitos alunos (a maioria) não levam essa prova a sério. Não acreditam na importância de a escola atingir os índices de educação. Uma prática que costumamos indicar é comparar as notas do ENEM (Exame Nacional do Ensino Médio) com a nota do IDESP. 
 
A prova do ENEM é de maior complexidade e os alunos conseguem melhor desempenho. Por quê? 
 

Será que esta prova tem mais significado ao aluno do que a outra? Será que por detrás disso está um conjunto de interesses pessoais? 

Pois o ENEM é a porta de entrada para muitas faculdades e acesso às bolsas. Enquanto que o SARESP “só dá o bônus para o professor”?

 
Por fim, acreditamos que o modelo de gestão do IDESP deve ser revisto e, principalmente, a super importância que se dá ao SARESP ao longo do ano e o esquecimento de que o aluno deve ir para escola para aprender um conjunto de conteúdos conceituais, procedimentais e atitudinais e não para chegar ao final do ano, pintar o alvéolo, cumprir a meta da escola e ver os professores com bônus.
 
Mudando um pouco de assunto, não poderíamos deixar de parabenizar nosso redator chefe, Filipe de Sousa pelo brilhante trabalho que tem feito para com a melhoria da qualidade de ensino disponibilizando a CINCO ANOS esse espaço para que nós professores, gestores, pensadores e executores tenhamos nosso espaço para manifestar nossa opinião, sem qualquer tipo de censura. 
 
Parabéns GAZETA VALE PARAIBANA. São cinco anos de muito barulho e conhecimento. 
 
Bem sabemos que no nosso país não é fácil escrever e falar sobre educação, principalmente apontando as falhas do sistema, mas justamente por não ser fácil é que nós do programa E agora José e voluntários da OSIP Formiguinhas do Vale desejamos que todo o sucesso para esse projeto.
 
Omar de Camargo
[email protected]
Técnico Químico, Professor em Química.
Pós-Graduado em Química.

Ivan Claudio Guedes
[email protected]
Geógrafo e Pedagogo, especialista em
Gestão Ambiental, Mestre em Geociências e doutorando em Geologia.
 

Postagens Relacionadas

About the Author

Ivan Guedes

Prof. Dr. Ivan Claudio Guedes, Geógrafo e Pedagogo. Professor de Geografia na educação básica e Docente do curso de Pedagogia da Faculdade Progresso. Coloca todo o seu conhecimento a disposição de alunos acadêmicos, pesquisadores, concursantes, professores, profissionais da educação e demais estudantes que necessitam ampliar seus conhecimentos escolares ou acadêmicos.

Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *