ENSINO DE AFRICANIDADES



SOBRE O ENSINO DE AFRICANIDADES:

NINGUÉM CONSEGUE ENSINAR O QUE NÃO SABE

 

As africanidades

Ensino de africanidades

Ensino de africanidades

Dia 25 de maio é celebrado o Dia Internacional da África. Um dia de reflexão sobre a independência dos povos africanos e uma grande comemoração sobre as africanidades. Neste mesmo dia, em 1963, foi criada a “Organização da Unidade Africana”, chamada hoje “União Africana”. Na época, essa organização tinha como objetivo tornar oficial a luta contra o colonialismo europeu e o apartheid. Em 1972 a Organização das Nações Unidas reconheceu tal movimento e criou, então, o “Dia da África”.

Que o continente africano tem uma rica diversidade natural e cultural, isso pouca gente duvida. O problema é que geralmente nos remetemos ao continente enquanto um exportador de escravos e enquanto um país miserável. Sim, muitos imaginam que o continente africano é um país.

Historicamente o berço da humanidade se encontra neste continente. A matemática, a filosofia, os estudos sobre a natureza, a descoberta do fogo, a evolução da espécie humana, enfim, a nossa história começa no continente africano.

Infelizmente este continente foi palco de diversas formas de colonização e exploração moderna (considerando pós século XV). O continente serviu de exportação de escravos para o continente americano e foi saqueado por diferentes países europeus.

As migrações (ainda que forçadas) contribuíram para a transformação dos povos americanos. Hoje, nossa comida, vestimenta, religião e dialeto (dentre outras características) possuem forte influência africana.

A educação sobre africanidades

Para que possamos conhecer melhor este continente, a Lei 9.394/1996, no seu artigo 26, §4º diz que “O ensino da História do Brasil levará em conta as contribuições das diferentes culturas e etnias para a formação do povo brasileiro, especialmente das matrizes indígena, africana e europeia”. Adiante, no artigo 26-A se lê, que “Nos estabelecimentos de ensino fundamental e de ensino médio, públicos e privados, torna-se obrigatório o estudo da história e cultura afro-brasileira e indígena”. Segue §1º: “O conteúdo programático a que se refere este artigo incluirá diversos aspectos da história e da cultura que caracterizam a formação da população brasileira, a partir desses dois grupos étnicos, tais como o estudo da história da África e dos africanos, a luta dos negros e dos povos indígenas no Brasil, a cultura negra e indígena brasileira e o negro e o índio na formação da sociedade nacional, resgatando as suas contribuições nas áreas social, econômica e política, pertinentes à história do Brasil”.

Pois bem. Diante dessa breve introdução e da legislação pertinente, questiona-se: “como é possível ensinar o que se estabelece nos artigos acima, sem ter conhecimento sobre seus conteúdos”?

A formação sobre africanidades

Sabemos que a formação de professores de História, Geografia, Sociologia, Filosofia e de Pedagogos pouco abordam as questões indígenas e o ensino de africanidades. Quanto muito, estudam algumas passagens e algumas “pinceladas” sobre aspectos bem gerais. Quando este professor cai em sala de aula, acaba se apoiando muito mais na mídia do que em estudos acadêmicos.

Apoiando-se em matérias jornalísticas da grande mídia, os professores acabam reforçando os estereótipos sobre o continente africano. Isso quando não o tratam como um único país. A escassez de material didático sobre as questões africanas e indígenas faz com que recorremos aos materiais de baixa qualidade que existem.

Materiais didáticos

Recentemente realizei uma pesquisa sobre o material disponível para o ensino de africanidades e questões indígenas. Pouco material de qualidade foi encontrado. No Youtube, o que se encontra, geralmente, são documentários que reforçam o estereótipo de subdesenvolvimento e pobreza extrema ou alguns outros documentários que tratam de culturas muito específicas do continente (sobretudo de bosquímanos – que, por consequência reforçam os estereótipos).

Há diversos filmes espalhados pela internet que podem nos ajudar. Atualmente em vários países africanos há produtoras de filmes e diversos jovens que utilizam o Youtube para apresentar seu país. Neste caso, precisamos conhecer este material e transformá-los em aula. Veja este canal, por exemplo clicando aqui.

Atualmente é possível verificar algumas editoras que, muito timidamente, começam produzir livros de contação de histórias, introduzindo o interesse pelas africanidades aos pequenos. Porém, como dito, ainda é muito tímido. Para os jovens, então, é mais escasso ainda. Contudo, é possível afirmar que a situação na última década melhorou razoavelmente.

Pensando nessa problemática, e longe de querer sanar o problema, o Prof. Fábio Luiz (diretor do Canal Nossa História) e eu pensamos em uma sequência de vídeos explicando diferentes conteúdos do continente africano. Pensamos em um material que possa servir tanto aos professores que não dominam o conteúdo, quanto ao aluno que pretende conhecer mais sobre o tema. Dessa conversa, então, surgiu a lista abaixo:

Acompanhe os vídeos sobre africanidades
Planejamento africanidades História e Geografia

Planejamento africanidades História e Geografia

Canal Nossa História – clique aqui.

Atualmente temos já disponibilizados os temas que estão em vermelho e ticados. Nosso planejamento é que até o final de 2017 todos os vídeos estarão contemplados. Com essa série completa, pretendemos ofertar gratuitamente aos colegas professores e alunos, uma grande diversidade de vídeos sobre a História e a Geografia do continente africano.

Pensando em um modelo de aula invertida ou de ensino híbrido, acreditamos que esses vídeos podem ajudar alunos e professores a compreenderem um pouco mais o continente africano. No futuro, quem sabem, podemos fazer o mesmo movimento com as questões indígenas.

Para isso, é importante que nossos colegas e nossos alunos acessem nossos materiais e critique nosso trabalho. Precisamos saber se estamos ajudando, ou não.

Também precisamos destacar que a Gazeta Valeparaibana também contribui com muitos artigos e informações sobre diferentes países africanos de influência portuguesa. Os chamados países lusófonos (Portugal, Guiné-Bissau, Angola, Cabo Verde, Brasil, Moçambique, Timor Leste, São Tomé e Príncipe e Guiné Equatorial). Todos esses materiais que contribuem com um melhor entendimento das nossas matrizes precisam ser divulgados.

Por fim…

Reafirmo a condição de que ninguém consegue ensinar o que não sabe. E, obviamente isso se aplica a mim, uma vez que preciso estudar muito, para poder ensinar meus alunos e contribuir com os colegas. Precisamos unir nossas forças e objetivos de forma com que possamos estudar mais e conhecer mais sobre a nossa própria história. Reafirmo, também, meu respeito aos povos africanos e indígenas que sustentaram as bases da nossa sociedade e que foram massacrados ao longo da história.

Neste momento, muito mais importante do que ensinar meu aluno a fazer “X” no lugar certo para passar em um vestibular, fica aqui o protesto para que, primeiro, meu aluno seja um cidadão.

IVAN CLAUDIO GUEDES

Geógrafo e Pedagogo

[email protected]

GUEDES, I.C. Sobre o ensino de africanidades: ninguém consegue ensinar o que não sabe. Gazeta Valeparaibana. Ed. 115. Ano X. Disponível em: http://www.gazetavaleparaibana.com/115.pdf; jun, 2017, p.09.

 

VEJA OS VÍDEOS DE GEOGRAFIA DA ÁFRICA LOGO ABAIXO

 

VEJA OS VÍDEOS DE HISTÓRIA DA ÁFRICA LOGO ABAIXO

 

Postagens Relacionadas

About the Author

Ivan Guedes

Prof. Dr. Ivan Claudio Guedes, Geógrafo e Pedagogo. Professor de Geografia na educação básica e Docente do curso de Pedagogia da Faculdade Progresso. Coloca todo o seu conhecimento a disposição de alunos acadêmicos, pesquisadores, concursantes, professores, profissionais da educação e demais estudantes que necessitam ampliar seus conhecimentos escolares ou acadêmicos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *