A QUEM INTERESSA UMA EDUCAÇÃO SEM QUALIDADE?



Compartilhe com seus amigos

A QUEM INTERESSA UMA EDUCAÇÃO SEM QUALIDADE?

As discussões sobre a função da escola deve ultrapassar os muros da escola e tomar espaços nas ruas.

        
    Em 2008 o então Ministro da Educação Sr. Tarso Genro, hoje Governador do estado do Rio Grande do Sul; lançou, com toda a pompa, o Plano Nacional de Educação (PNE), para o decênio 2010 – 2020. As dezenas de metas não alcançadas no primeiro PNE (2000-2010) fizeram com que esse outro plano fosse mais objetivo e enxuto, ou seja, passível de ser alcançado. Entretanto, como estamos em um país em que tudo é demorado, moroso e eleitoreiro, algo tinha que dar errado. Das vinte metas estabelecidas, justamente a 20º meta travou todo o sistema.

            Em 16/03/2010 o jornal O GLOBO publicou que em 2008, o investimento público em educação era de 4,7 % do PIB e isso refletia um crescimento de 0,2 % em relação do ano anterior. Na ocasião entidades e especialistas, inclusive a ONU, através do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), recomendavam que o percentual, deveria ser de 8 % do PIB. Em abril do mesmo ano a CONAE (Conferência Nacional de  Educação) se reuniu para tratar das diretrizes no novo PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO (PNE). Especulações a respeito diziam que o percentual deveria ficar entre 10 e 12 pontos percentuais do PIB. Já se fazia sentir, na época, que a defasagem do investimento na educação pública provocaria um déficit educacional gravíssimo caso não fosse o percentual melhorado, e bastante. Daniel Cara, então presidente da Campanha Nacional pelo Direito à Educação, defendia um patamar maior do que 6% e o que estava sendo apresentado pelo Ministro Tarso Genro não garantia a qualidade preconizada pela LDB e pela Constituição Federal.


            Após muitas idas e vindas, o atual PNE foi apresentado ao Congresso em 15 de dezembro de 2010. Porém, o Plano foi gerado na administração do Sr. Tarso Genro, sendo consumado na gestão do ministro Fernando Haddad. De lá para cá muito se tem falado e modificado o plano. O plano foi gerado em 2008, apresentado ao congresso nacional em 2010 e estamos em 2012. Ou seja, quatro anos se foram sem que o plano fosse rejeitado ou aprovado em definitivo. Apresentaram “N” motivos para tal morosidade na aprovação desse plano, e nesse contexto, perguntamos:



             – A quem interessa que continuemos com os problemas tão decantados em verso e prosa nesse país? Se um monte de especialistas e não especialistas em educação sabem onde estão os problemas da educação e como fazer para resolvê-los, porque não é feito?


            Durante as discussões do PNE vários movimentos sociais discutiram a viabilidade de aplicar-se 10% do PIB nacional, na educação. Ótimo! Aliás, seria ótimo. Se não fosse  dois grandes problemas – a má utilização dos recursos públicos e a corrupção.


            Bem sabemos da ganância dos nossos governantes pela reeleição e pela continuidade dos seus mirabolantes planos que nunca resolvem nada é assombrosa.


            Atualmente somos a 6ª maior economia do mundo e ocupamos a 88ª posição no ranking de educação, segundo avaliações externas. Mas, a sexta posição no ranking dentro de pouco tempo não irá perdurar, pois sem a formação de pessoal capacitado ficará difícil manter essa situação.


Parece-nos que tudo faz parte de um plano muito bem elaborado para manter a população sob o jugo paternalista do governo, pois teremos mais e mais benesses do governo com a finalidade de suprir a falta de capacidade das pessoas de se manterem em empregos, ou seus filhos na escola, ou de ter acesso à saúde, ou ainda de ir e vir com segurança. Logo, logo inventarão o Bolsa Segurança, o Bolsa Saúde ou sabe-se lá mais o quê. Percebam que se isto acontecer os beneficiados acharão tudo lindo e maravilhoso e darão uma solução de continuidade ao processo político eleitoreiro.


            Então somos nós do Programa “E agora José ?” que somos intolerantes ? Ou chatos? Ou ainda como nos disseram certa vez – “vocês criticam qualquer coisa”. Percebam que ao que tudo indica existe sim uma manobra sórdida por trás desses planos mirabolantes. E sempre que muda o governo as políticas educacionais mudam, como  se o antecessor nada soubesse de educação.


            Consideramos o tripé: Educação, Saúde e Segurança como políticas apartidárias, ou seja, acima dos interesses políticos. Há um interesse maior do que qualquer partido. É o país. Mas, ao que tudo indica os políticos fogem do povo culto e consciente assim como o diabo foge da cruz. Claro, isso é perfeitamente compreensível, pois se o povo se tornar culto, consciente de seus direitos e deveres não haverá mais espaço para esses políticos de fachada.
            Parece-nos que estamos numa sinuca de bico!


            Se a cada ano que passa, mais e mais jovens são despejados no mercado trabalhista e notoriamente sem condições de irem adiante em seus estudos. Quando conseguem adentrar a uma faculdade se deparam com um grande e enorme ensino médio que leva o nome de ensino superior. Qual a qualidade desse universitário? Em se tratando de licenciandos qual é  prática que ele irá levar aos seus futuros alunos? Parece-nos um grande círculo vicioso, ou melhor uma grande espiral que gira em descendente sem fim, que discutimos há dois meses nesse mesmo jornal (Os professores e a lei, Gazeta Vale Paraibana, Ed. 53, Abril/2012, p. 13.).


O que nos deixa pasmos, perplexos mesmo é o não comprometimento dos nossos políticos com o país. Em momento algum eles esquecem-se de seus partidos políticos, mas raramente se lembram de que o país precisa começar agora a sair dessa espiral que nos arrasta ralo abaixo. Corremos o risco de em breve importamos mão de obra especializada por simples falta de empregados capacitados. E não será com planos mirabolantes  ou com o aumento da parcela do PIB que iremos resolver isso. O problema é bem maior do que isso. Como dissemos não é quantidade de dinheiro e sim como ele é gasto. É na verdade a má administração do dinheiro público além, claro, da corrupção que parece enfronhada na pele dos políticos.


Considerem ainda que nem falamos da falta de um plano de carreira estimulante para os professores, o que poderia acrescentar pontos positivos na solução do problema. Não falamos dos baixos salários. Não falamos da falta de condições de trabalho nas escolas públicas. Não falamos da total falta de infraestrutura das escolas de período integral e das escolas normais. Como se tudo isso não bastasse esbarramos também em maus profissionais.


Mas, nesse momento, não queremos nada disso. Só queremos que o PNE saia do papel logo e comece a ser colocado em prática.


O texto na íntegra do PNE pode ser acessado em http://www.todospelaeducacao.org.br/comunicacao-e-midia/noticias/12514/mec-divulga-plano-nacional-de-educacao-2011-2020


Omar de CamargoTécnico Químico
Professor em Química
Pós-Graduado em Química
[email protected]


Ivan Claudio GuedesGeógrafo e Pedagogo, especialista em Gestão Ambiental, Mestre em Geociências e doutorando em Geologia.
Vice-Diretor de escola da Secretaria Estadual de Educação de São Paulo.
Professor do curso de Pedagogia da Faculdade Método de São Paulo.
Palestrante e consultor nas áreas de Meio Ambiente e Educação.
[email protected]
Ambos apresentam o Programa E Agora José? Aos domingos das 18h as 20h no http://www.culturaonlinebr.org

Este texto foi publicado originalmente no jornal Gazeta Valeparaibana. p. 13 http://www.gazetavaleparaibana.com/056.pdf

Postagens Relacionadas

Compartilhe com seus amigos

About the Author

Ivan Guedes

Prof. Dr. Ivan Claudio Guedes, Geógrafo e Pedagogo. Professor de Geografia na educação básica e Docente do curso de Pedagogia da Faculdade Progresso. Coloca todo o seu conhecimento a disposição de alunos acadêmicos, pesquisadores, concursantes, professores, profissionais da educação e demais estudantes que necessitam ampliar seus conhecimentos escolares ou acadêmicos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *