A INDEPENDÊNCIA DOS DEPENDENTES



Eu não sei até que ponto devemos comemorar algo que não
somos.
Reza a lenda de que D. Pedro I proclamou a independência às
margens do rio Ipiranga no dia 7 de Setembro de 1822. Lenda a parte, é preciso
determinar qual é o tipo de independência de que estamos falando.
Será que realmente somos um povo independente?
O que dizer da dependência psíquica que estamos submetidos
via mídia que faz a clássica lavagem cerebral a favor do comércio e dos grupos
políticos que estão no poder.
O que dizer da dependência cultural que temos em que somos
obrigados a absorver a cultura de massa suprimindo a cultura local.
O que dizer da dependência religiosa que cerceia a liberdade
de pensamento e expressão em favor dos “bons costumes” e da moral religiosa.
Na realidade ser independente é difícil. Para ser
independente não podemos ser dependente, ou seja, temos que andar sozinho. Temos
que nos responsabilizar pelo que falamos e pelo que pensamos e é ai que mora o
perigo.
Na realidade temos medo de ser independente. Tanto medo
quanto um bebê que está aprendendo andar. Entretanto, diferentemente do bebê,
temos medo de andar sozinhos, de pensar, de falar e de agir.
Quanto é difícil discutir uma ideia ou um assunto se o nosso
ouvinte ou leitor não compartilha da mesma ideia? Muita gente não esta
preparada para ouvir uma critica ou uma opinião diferente. Muita gente não esta
preparada para se dispor diante de um grupo e apresentar uma critica ou uma opinião
diferente. Ter independência intelectual e moral é difícil, e quando se tem, dá
se a impressão de que você é um extraterrestre, um louco.
A independência intelectual deveria ser o primeiro tipo de independência
que um povo deveria bradar. Mas como gritar por uma independência se não se tem
a consciência de que é dependente?
Talvez ai esteja um dos grandes motivos para a educação não dar
certo. Intelectualizar um povo significa dar liberdade. Liberdade de
pensamento, de opinião, de leitura, de expressão. Liberdade de dizer o que
quiser para quem quiser e quando quiser. Liberdade de ter suas convicções e de
poder expressar sem medo de ser repreendido ou de ser queimado na fogueira.
Povo que se mantém na jaula é povo fácil de controlar. Povo que
se mantém no escuro é fácil guiar. Povo escolarizado que não sabe ler é fácil
de manipular.

 

Ainda estamos engatinhando para a independência do Brasil.
191 anos se passaram desde a lenda. Precisamos de alguns tantos outros.
Apoio: www.criarnegociosonline.com/

Postagens Relacionadas

About the Author

Ivan Guedes

Prof. Dr. Ivan Claudio Guedes, Geógrafo e Pedagogo. Professor de Geografia na educação básica e Docente do curso de Pedagogia da Faculdade Progresso. Coloca todo o seu conhecimento a disposição de alunos acadêmicos, pesquisadores, concursantes, professores, profissionais da educação e demais estudantes que necessitam ampliar seus conhecimentos escolares ou acadêmicos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *