A HIPOCRISIA DO POLITICAMENTE CORRETO.



Compartilhe com seus amigos

A HIPOCRISIA DO POLITICAMENTE CORRETO.

Censurar desenhos animados é o mais correto para garantir a educação da sociedade?

A Warner anunciou há alguns dias a censura de alguns episódios do desenho
Tom & Jerry, criado pela dupla William Hanna e Joseph Barbera e exibido
desde 1940, por conter algumas cenas violentas ou racistas. Pois bem, agora
sobrou até para os desenhos animados.
Tive uma infância saudável. Brincava na rua, tinha minha
coleção do He-Man, jogava bola, empinava pipa, assistia aos desenhos dos Flintstones,
Pica Pau, Zé Comeia, Urso do Cabelo duro, A corrida maluca e a claro Tom & Jerry, e nem por isso fui “corrompido” pelas cenas violentas, nem tão pouco me
tornei homofóbico, xenófilo, preconceituoso, violento ou o quer mais que seja. Talvez
porque eu tenha sido muito mais influenciado pela minha mãe e meu pai do que
pelos desenhos animados.
Censura
Hoje a história do politicamente correto só serve para dar
coro à sociedade hipócrita que vê valores morais em absolutamente tudo na rua. Já
não se pode dizer “chame o meu amigo, o neguinho ali”, eu tenho que dizer “chame
o meu amigo, o afrodescendente de pele morena nascido no Brasil” (até porque
devo considerar que, antropologicamente, todos somos afrodescendentes. Não
somos iguais, mas temos a mesma raiz); ou então se eu for ofender alguém durante
uma briga e chamá-lo de “viado” eu também já não posso, devo dizer “o seu
mamífero da ordem dos artiodáctilos pertencentes à família Cervidae” ou então “o sujeito masculino com distúrbio de
personalidade que tem traços femininos”, ou ainda “o cidadão endemoniado que
precisa de tratamento para curar sua homoafetividade e que precisa pagar o
restante do dizimo na igreja…”,ou simplesmente “o Homoafetivo”. Chamar crente
de “crente” então…
O que eu quero dizer é que hoje nós vivemos em uma bolha
muito tênue que explode a qualquer momento. A terceirização da responsabilidade
de educar as crianças foi delegada à sociedade que por sua vez, não faz ideia
de como educar. Sendo assim, espalham a hipocrisia do discurso do “politicamente
correto” para censurar qualquer coisa que vá contra algum preceito religioso,
moral, ético ou seja lá o que.
O que a nossa sociedade precisa aprender (e isso meus pais me ensinaram muito bem), é que se algo não o agrada na televisão ou em qualquer lugar, você não é obrigado a assistir ou a ir. Simplesmente não assista ou não vá! Também aprendi com os meus pais que, o que se passa na televisão não é a realidade. Os filmes, desenhos e novelas (e alguns jornais) são histórias para entreter, e que se eu fizer o que o Superman faz, vou morrer de verdade!
Enquanto continuamos discutindo censuras a desenhos animados
e terminologias “politicamente corretas”, a canalhice, a pouca vergonha e a
falta de vergonha na cara continuam reinando no Congresso Nacional, na Câmara
dos deputados, nas assembleias legislativas, nas câmaras de vereadores e o meu,
o seu, o nosso suor do trabalho continua indo para o esgoto. Continua caminhando
desfiladeiro abaixo para os bolsos daqueles que ficam dias a fio discutindo nas
suas salas com ar condicionado e secretárias gostosas, quais serão os próximos
superfaturamento que vão criar.
Prof. Ivan Claudio Guedes
Geógrafo e Pedagogo.

Postagens Relacionadas

Compartilhe com seus amigos

About the Author

Ivan Guedes

Prof. Dr. Ivan Claudio Guedes, Geógrafo e Pedagogo. Professor de Geografia na educação básica e Docente do curso de Pedagogia da Faculdade Progresso. Coloca todo o seu conhecimento a disposição de alunos acadêmicos, pesquisadores, concursantes, professores, profissionais da educação e demais estudantes que necessitam ampliar seus conhecimentos escolares ou acadêmicos.

Comments

  1. Nos tempos da ditadura os pensadores corriam o risco de serem censurados ao expor suas idéias, agora temos uma "democracia" que não permite a exposição das idéias daqueles que pensam. Cadê a liberdade tão sonhada?!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *